Partido Novo é o atual PRN e Doria está pronto para ser o Collor da vez

Luciano Huck também deve ir para o Novo, como Bernardinho. É só uma questão de tempo. Mas a Globo sabe que será muito difícil lançar seu nome à presidência. É Doria que é a bola da vez

Está ficando cada vez mais evidente que o Partido Novo será a nova legenda dos liberais. Ou se preferirem, de boa parte daqueles que se organizavam em partidos como o PSDB, PMDB, DEM e quetais, que estão sendo destruídos pela Lava Jato.

A última notícia a corroborar essa tese é a filiação de Bernardinho, técnico da seleção brasileira de vôlei, a este partido.

Mas há uma outra notícia que ganhou pouco destaque é a ainda mais contundente de quem pode vir a capitanear o Novo.

Ao demitir Soninha Francine da Secretaria de Assistência Social, Doria entregou a pasta para Filipe Sabará, que era o Secretário-Adjunto.

Sabará tem 33 anos, fez Relações Internacionais na FAAP e é um dos fundadores do Partido Novo.

Doria não dá ponto sem nó, como se sabe. E a promoção de Sabará deve ter sido anotada no caderninho de Alckmin.

O prefeito de São Paulo está vendo a barca do PSDB afundar e por isso está acelerando na construção de uma raia própria, desvinculada daquele que lhe garantiu o governo da capital paulista.

Como conhece a história, Doria sabe que nesses momentos de crise político-institucional, como o Brasil também viveu no final da década de 80, é fundamental estar desvinculado do que barco que afunda.

Naquela época, denúncias de corrupção e a hiper inflação afundaram o PMDB e o PFL, partidos que haviam criado a Aliança Democrática.

Havia um enorme receio de que Brizola e Lula acabassem herdando com a crise e um dos dois viesse a ser eleito em 89. Isso tinha até um nome, Efeito Brizula.

Foi quando surgiu Collor, uma figura que também acelerava e parecia ter juventude para enfrentar o sistema e mudar tudo.

O governador de Alagoas falava em caçar marajás, mas no início nem pretendia ser candidato a presidente. Como se ficou sabendo depois, ele queria ser vice de um político mais graduado. Seu objetivo principal era sair numa chapa com Covas.

Mas ao perceber que poderia ser a bola da vez, criou o seu próprio projeto. O Partido da Reconstrução Nacional (PRN), que foi fundado com o nome de Partido da Juventude (PJ), acabou sendo a legenda que o levou a presidência da República.

Doria talvez tivesse acelerado no início do seu mandato pensando em entregar a prefeitura para Bruno Covas e disputar o governo do estado.

Mas isso é passado. E o Partido Novo já sabe que tem um quadro a seu dispor. E começarão, fiquem atentos, a pipocar filiações como a de Bernardinho na nova legenda.

Neste momento, o partido buscará nomes novos. Mas vai chegar uma hora em que políticos que querem sobreviver ao tsunami também começarão a deixar suas siglas em direção ao Novo.

E aí, Alckmin, Aécio e Serra já não terão mais a concorrência de Doria para saber quem será o candidato do PSDB. Doria será candidato do Novo. Com o apoio do mundo empresarial, de todos os movimentos de rua que estiveram no impeachment, como MBL, e com a força da mídia, leia-se Globo à frente.

Luciano Huck também deve ir para o Novo, como Bernardinho. É só uma questão de tempo. Mas a Globo sabe que será muito difícil lançar seu nome à presidência. É Doria que é a bola da vez. Huck e Bernardinho servirão ao projeto Rio, que também está vivendo um imensa crise.

Ou seja, a direita já está em plena reorganização. A esquerda por enquanto só observa.


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



In this article

Join the Conversation

1 comment

  1. Marcel Responder

    Enquanto a direita se reinventa a esquerda continua com o discurso do golpe que até quem concorda com ele já não aguenta mais.